Análise | Especial Esportes

Dossiê Olimpíadas: As mulheres que não se calaram

Três casos de estupro marcaram o início das Olimpíadas no Brasil. No entanto, enquanto as mulheres merecem destaque por terem denunciado os agressores, o Comitê Olímpico se destaca pela omissão nos casos.

imagem grislab

31 de julho de 2016. As Olímpiadas nem haviam começado e o Parque Olímpico ganhava visibilidade por ser palco de um crime. O supervisor de segurança, Genival Ferreira Mendes, foi preso em flagrante pelo estupro de uma bombeira civil que trabalhava com ele no Velódromo do Parque Olímpico. No dia 05 de agosto, a Vila Olímpica ganhava destaque pelo mesmo crime, desta vez, cometido pelo boxeador marroquino Hassan Saada, de 22 anos, a duas camareiras que trabalhavam nas acomodações dos atletas. Três dias depois, o também boxeador Jonas Junias, representante da Namíbia e de mesma idade, foi preso pelo estupro de outra camareira também na Vila Olímpica.

Nestes três acontecimentos, um ponto que chama nossa atenção e que foi pouco problematizado na cobertura midiática, é o fato das quatro mulheres serem vítimas de estupro no local de trabalho. A bombeira civil acordou com o segurança tocando-lhe os seios e a genital e as camareiras foram agarradas pelos boxeadores, que tentaram beijá-las à força, sendo que o boxeador da Namíbia chegou a oferecer dinheiro em troca de sexo.

Se podemos destacar, nestes acontecimentos, o protagonismo das quatro vítimas, que não se calaram e denunciaram seus agressores por estupro, mesmo sem a consumação do ato sexual (o que revela que as mulheres estão conhecendo melhor seus direitos e fazendo-os valer), não podemos deixar também de destacar a omissão do Comitê Olímpico e dos demais responsáveis pelos Jogos. Ao se referir ao caso de estupro no Velódromo, o ministro do Esporte, Leonardo Picciani classificou o caso como “pontual” e o Comitê Rio-2016 notificou a empresa terceirizada pela conduta antiprofissional do funcionário. No caso dos atletas, os crimes foram tratados pelo Comitê como uma questão particular, restrita à polícia. Nenhum dos atletas foi afastado das competições, nem mesmo desclassificados pelo Comitê Olímpico Internacional. Jonas Junius fez sua primeira luta um dia após ter recebido o habeas corpus e o marroquino Hassan Saada só não competiu porque não conseguiu comparecer à pesagem, já que estava preso naquele momento.

No que se refere à cobertura midiática, percebemos que enquanto o estupro do Velódromo ganhou visibilidade apenas na prisão do acusado – a ponto de não sabermos se o segurança permanece preso -, os estupros na Vila Olímpica ganharam ampla visibilidade desde a prisão até a soltura dos atletas. No entanto, nos três casos, vemos que as vítimas tiveram pouca ou nenhuma voz. Os fatos são contados a partir da versão oficial da polícia, com base nos dados do boletim de ocorrência (BO), sendo a cobertura midiática predominantemente descritiva. Além disso, apesar dos atletas terem a prisão decretada por estupro, em muitos meios de comunicação percebemos que a palavra estupro foi substituída por paliativos como ato libidinoso, assédio sexual, tentativa de estupro.

Estes casos de estupro revelam que não basta que o Código Penal Brasileiro enquadre como estupro qualquer ato com sentido sexual praticado sem consentimento, se a punição para esses casos ainda não é efetiva; se no cotidiano as abordagens violentas de homens em relação às mulheres não são problematizadas, muito menos entendidas como crimes; se as vítimas continuam sendo vistas com desconfiança e até mesmo como provocadoras do ato.  Não basta as mulheres falarem, se a sociedade ainda se cala.

 

Fabíola Souza
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UFMG
Pesquisadora do Gris

 

Esta análise compõe o “Dossiê Olimpíadas” e faz parte do cronograma oficial de análises para o mês de agosto, definido em reunião do GrisLab.

 

Confira outras análises do “Dossiê Olimpíadas”:



Comentários

  1. cialis online disse:

    Erectile dysfunction (ED) is the inability to get or keep an erection firm enough to have sexual intercourse. It’s also sometimes referred to as impotence. Occasional ED isn’t uncommon. Many men experience it during times of stress. Frequent ED can be a sign of health problems that need treatment. It can also be a sign of emotional or relationship difficulties that may need to be addressed by a professional. You should talk to your doctor if you have any of these symptoms, especially if they’ve lasted for two or more months.

  2. buy tadalafil online disse:

    Since the discovery that the drug sildenafil, or Viagra, affected penile erections, most people have become aware that ED is a treatable medical condition. Men who have a problem with their sexual performance may be reluctant to talk with their doctor, seeing it can be an embarrassing issue. However, ED is now well understood, and there are various treatments available. Erectile dysfunction (ED) is defined as persistent difficulty achieving and maintaining an erection sufficient to have sex. Organic causes are usually the result of an underlying medical condition affecting the blood vessels or nerves supplying the penis…

  3. buy tadalafil online disse:

    Physical reasons for ED range from heart disease and diabetes to high blood pressure and obesity. Damage to your nerves or arteries can cause problems with erections, too. Lack of exercise, drinking, and smoking can lead to problems. On the mental and emotional side of things, anxiety, depression, and stress all play a role. Relationship issues can also be a factor. With so many possible causes, your doctor has a number of tests he can use to figure out the best treatment for you..

Comente

Nome
E-Mail
Comentário