Análise | Corrupção Operação Lava Jato Política

Mais do mesmo

A análise observa como as eleições presidenciais no Legislativo brasileiro e a nomeação do ministro do STF, Alexandre de Moraes, não respondem aos anseios de uma sociedade em ebulição.
2c016557-23c1-4ed3-b5f6-15cb4bf0a807

Fonte: Marcos Oliveira / Agência Senado e Luis Macedo / Câmara dos Deputados

Depois de pouco mais de um mês de recesso, deputados e senadores retomaram os trabalhos legislativos no mês passado. Oficialmente, a volta das atividades do Parlamento ocorreu na quinta-feira (2 de fevereiro), a partir das 16h, com a sessão solene do Congresso Nacional. Porém, antes da abertura oficial dos trabalhos do Legislativo, Senado e Câmara devem escolher seus novos presidentes e demais integrantes da Mesa Diretora.

No Senado, a eleição ocorreu na quarta-feira, dia primeiro de fevereiro. Segundo a tradição, os partidos devem indicar nomes para ocupar esses cargos de acordo com a proporção de senadores que possuem em atividade na casa. Sendo assim, coube ao Partido do Movimento Democrático do Brasil (PMDB), dono da maior bancada, indicar o novo presidente do Senado. Eunício Oliveira (PMDB/CE) foi o nome escolhido pelo partido e contou com o apoio da maior parte das legendas. O senador teve 61 votos.

No dia seguinte, quinta-feira, 2 de fevereiro, A Câmara dos Deputados reconduziu Rodrigo Maia (Democratas/RJ) ao cargo de presidente da casa. Apesar de alguma controvérsia jurídica (Maia foi alvo de quatro ações no Supremo Tribunal Federal que questionavam a legalidade de sua candidatura após o “mandato tampão” com o vácuo deixado por Cunha-Waldir Maranhão), o parlamentar teve 293 votos. Vale lembrar, Eunício e Maia foram citados em delações da Lava-jato.

Vinte dias depois da eleição na Câmara, e após o Senado sabatinar Alexandre de Moraes por 11 horas, o ex-ministro do governo Temer, indicado pelo seu próprio chefe, foi aprovado para se tornar ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Pesa sobre o controverso nome de Moraes uma suspeita forte de que o substituto de Teori vai tentar abafar as investigações dos aliados na Lava-jato.

Os parlamentares optaram por manter as coisas como estão: Eunício não está muito distante da linha do antecessor Renan Calheiros; Maia segue defendendo interesses que agradam ao (des)governo Temer; Alexandre de Moraes, filiado ao PSDB, está tão afinado com a classe política que ele mesmo, anos antes e seguindo o raciocino de sua tese de doutorado, teria se oposto a sua própria nomeação.

Do lado de fora dos palácios, a agitação é grande: crise econômica, crise dos serviços públicos, delações de Marcelo Odebrecht. Os mesmos congressistas que demoraram a cassar o mandato de Eduardo Cunha e que blindaram Renan Calheiros quando o Supremo ameaçou tirá-lo da presidência, insistem em manter a panela de pressão quente, sem esboçar mudanças. O acontecimento das eleições legislativas e da nomeação do ministro do STF revela uma classe política que tenta, a todo custo, se proteger. Ora se protege de investigações, ora daqueles que a elegeram (via sistema eleitoral que necessita de uma reforma profunda). Conseguirão? Por quanto tempo? Um horizonte de possíveis se abre. A insatisfação pode tornar insustentável a ausência de transformações. Mudaremos para melhor? E o Brasil vai ser melhor para quais brasileiros? É tempo de responder.

Gáudio Bassoli
Mestre em Comunicação pelo PPGCOM-UFMG
Membro do GRIS

Paulo Basílio
Graduando em Comunicação Social pela PUC Minas
Membro do GRIS



Comente

Você dever estar logado para deixar um comentário. Caso não tenha um login, cadastre-se em nosso site.