Análise | Internacional Questões raciais

Charlottesville e a intolerância: emblema da crise das democracias contemporâneas

A análise utiliza um acontecimento, a manifestação em Charlottesville nos EUA, para refletir sobre alguns valores da sociedade que parecem ganhar fôlego atualmente.

Foto: Reuters

Um mês após as manifestações em 12 e 13 de agosto em Charlottesville, Virgínia (EUA), muito já foi dito sobre o acontecimento. O debate sobre liberdade de expressão x discurso de ódio, por exemplo, tomou as redes sociais. O paradoxo da intolerância ganhou charge e programa explicativo; vaquinhas e financiamentos coletivos foram criados para ajudar a população da cidade; celebridades se posicionaram e outros governantes e organizações se manifestaram.

O que deu origem ao caos foi uma passeata intitulada Unite the Right (Unir a direita), contra a retirada da estátua do general Robert E. Lee, que contou com apoiadores da Ku Klux Klan e membros da chamada “alt-right” ou “direita alternativa”. Houve outra manifestação em oposição à primeira, formada por ativistas e militantes do Black Lives Matter, liberais e pessoas da comunidade, contrários ao nazismo, ao racismo e ao conservadorismo.

O ataque de um neonazista que jogou o carro contra esses últimos manifestantes, matou uma pessoa e feriu outras tantas, escancarou o que já estava latente na primeira passeata: a violência e a intolerância direcionadas ao outro (seja negro, LGBT, latino).

Em outras análises do Grislab sobre os EUA e Trump, abordamos o crescimento dos movimentos conservadores e as consequências perigosas para minorias. O que aconteceu em Charlottesville acende mais uma luz vermelha para o mundo: não só o neo-nazismo e a KKK estão ativos como operantes e organizados. Vimos armamento superior ao do próprio exército, ao lado de cartazes apoiando o presidente e discursos violentos.

A reação de Trump, além de demorada, foi infeliz ao atribuir responsabilidade a todos os grupos presentes e não rechaçar (nem ao menos citar) os movimentos neonazistas e racistas1. Os integrantes desses grupos se sentem apoiados pela figura do presidente2 e compelidos a buscar a promessa de campanha de Trump: tornar a América boa novamente. E “boa”, nesse caso, significa nada mais que homogênea, branca e racista.

Há um sinal de alerta no mundo: as democracias contemporâneas têm enfrentado movimentos cada vez mais fortes que vão na contramão do aperfeiçoamento democrático. Vozes com discursos anti-humanistas, anti-científicos e intolerantes têm ampliado expressivamente sua capacidade de influenciar as instituições políticas. Dentre os perigos que esse cenário coloca, destaca-se a legitimação social cada vez mais ampla do discurso de ódio e intolerância que tem saído das redes sociais e ganhado parlamentos e governos. E, assim, corremos o risco de perder consensos civilizatórios mínimos rumo à ignorância. Os Estados Unidos, a nação mais poderosa do mundo, tornou-se o exemplo vivo: inflados pelo próprio presidente3, cidadãos se acham no direito de exterminar aqueles que consideram párias da nação.

1 Trump revives criticism of ‘both sides’ in Charlottesville – The Guardian

2 El auge de la ultraderecha le estalla a Donald Trump – El País

3 David Duke, exlíder del Ku Klux Klan: “Trump nos ha empoderado” – El País

Laura Lima
Mestranda do PPGCOM-UFMG

Frances Vaz
Mestre em Comunicação pelo PPGCOM-UFMG



Comentários

  1. buy cialis online disse:

    Men may not always successfully achieve an erection, and if this rarely happens, it is not considered a medical problem. The numerous potential causes of ED mean that a doctor will typically ask a lot of questions and arrange for blood tests to be performed. Such tests can check for heart problems, diabetes, and low testosterone, among other things. The doctor will also carry out a physical examination, including of the genitals. Before considering a diagnosis that requires treatment, a doctor will look for symptoms that have persisted for at least 3 months.

  2. cialis online disse:

    Men may not always successfully achieve an erection, and if this rarely happens, it is not considered a medical problem. The numerous potential causes of ED mean that a doctor will typically ask a lot of questions and arrange for blood tests to be performed. Such tests can check for heart problems, diabetes, and low testosterone, among other things. The doctor will also carry out a physical examination, including of the genitals. Before considering a diagnosis that requires treatment, a doctor will look for symptoms that have persisted for at least 3 months.

Comente

Nome
E-Mail
Comentário