Análise | Questões indígenas Questões socioambientais

Dois anos do crime da Samarco: primazia da economia, esquecimento dos povos indígenas

Após dois anos do rompimento da barragem da Samarco, e quando as primeiras licenças ambientais para retomada da produção são concedidas, questões distintas costuram o mesmo acontecimento. Por um lado, está o forte apelo da comunidade de MG e ES pelo retorno das atividades da mineradora, visando à recuperação dos postos de trabalho. Diferente situação encontram os povos indígenas, com destaque para a tribo Krenak, cujos danos provocados pela contaminação do Rio Doce são praticamente irreversíveis.

Foto: Fernando Lemos / Agência O Globo.

Passados dois anos do maior crime ambiental da história do país, a ferida provocada pela empresa Samarco continua aberta. No apagar das luzes de 2017, o Conselho de Política Ambiental de Minas Gerais concedeu as primeiras licenças ambientais para a retomada das atividades da mineradora. As operações estavam paralisadas desde o dia 5 de novembro de 2015, quando o rompimento da barragem de rejeitos matou 19 pessoas, arrasou distritos inteiros em Minas e comprometeu todo o curso do Rio Doce até sua foz no Espírito Santo.

O apelo popular pela volta da Samarco foi a tônica das audiências públicas do processo licitatório ocorridas na última semana. Moradores e autoridades municipais de Mariana (MG) e região tiveram o apoio de capixabas do sul do Espírito Santo (onde a Samarco possui planta industrial, além do porto) nos pedidos pela “volta dos empregos” e “para seguir em frente”. Entre as mais de 40 manifestações da audiência, ocorrida em 8 de dezembro, apenas três se posicionaram contra a concessão da licença.

Juntamente como o debate sobre a retomada ou não das atividades, também ganharam destaque midiático, ao longo destes dois anos, os prejuízos nas zonas urbanas, as demissões de empregados da Samarco e terceirizados, os pequenos negócios afetados, as indenizações negociadas, bem como o fornecimento de água potável para moradores. No entanto, não se falou, na mesma proporção, sobre a situação dos povos indígenas localizados ao longo do Rio Doce – hoje envenenado pelos rejeitos da mineradora. Eles também não fazem parte da população ouvida nos processos de licenciamento ambiental, já que estão a algumas centenas de quilômetros das minas de extração de minério – mas não protegidos dos impactos da atividade.

É sabido que alguns Krenaks, instalados na região de Resplendor (MG), à margem do rio, ganharam novas residências, indenizações e água própria para o consumo, por meio de ações da sociedade civil e da Fundação Renova – braço da própria Samarco e de suas controladoras Vale e BHP, criada para mediar o diálogo com os atingidos. Semelhantes atos paliativos ocorreram junto aos povos Tupiniquim e Guarani (localizados no ES). No entanto, a lógica de reparo do homem branco não é a mesma do índio. Para os Krenaks, por exemplo, o Rio Doce não é apenas uma fonte de subsistência, mas representa todo um modo de vida. Na cultura Krenak, o Rio não é somente o Doce, mas sim Watu (ou Uatu), um ente sagrado que costura toda uma forma de sociabilidade do povo secular.

Sem o Watu, os Krenaks perderam um elemento considerado intocável e responsável por afastar o mal. As plantas mortas às margens enlameadas prejudicaram a tradição de tratar enfermidades com ervas medicinais. A tribo, composta por sete aldeias, foi privada da noção de ecossistema passada de geração em geração e que, sem as águas do Doce, perde o sentido histórico, cultural e religioso. Após matar, torturar e escravizar os índios durante séculos e expulsá-los de áreas para atender interesses do capital, o homem branco agora parece ter dizimado até mesmo a sacralidade da natureza e conseguiu também silenciar o canto do Watu.

Fiorenza Carnielli
Doutoranda em Comunicação e Informação (UFRGS) e Professora da Universidade de Caxias do Sul

Raquel Dornelas
Doutoranda em Comunicação (UERJ) e Professora da Universidade Vila Velha



Comentários

  1. buy tadalafil online disse:

    The researchers found a stronger correlation between smoking and illicit drug use and ED in men under 40 than among older men. That suggests that lifestyle choices may be a main contributing factor for ED in younger men. An analysis of research on ED in men under 40 found that smoking was a factor for ED among 41 percent of men under the age of 40. Diabetes was the next most common risk factor and was linked to ED in 27 percent of men under 40. Your doctor will ask you questions about your symptoms and health history.

  2. buy cialis online disse:

    They may do tests to determine if your symptoms are caused by an underlying condition. You should expect a physical exam where your doctor will listen to your heart and lungs, check your blood pressure, and examine your testicles and penis. They may also recommend a rectal exam to check your prostate. Additionally, you may need blood or urine tests to rule out other conditions. Your doctor may prescribe medication to help manage your symptoms of ED.

Comente

Nome
E-Mail
Comentário