Análise | Esportes

O futebol e a(s) violência(s) no Brasil contemporâneo

O texto reflete sobre a relação entre violência e futebol no contexto brasileiro contemporâneo, tendo como ponto de partida as brigas que marcaram a final do Campeonato Alagoano de Futebol, realizada no estádio Rei Pelé, em Maceió, no dia 8 de maio de 2016. A partir disso, aponta para as muitas violências que colocam em risco a sociedade democrática.

Confusão na final do Campeonato Alagoano de 2016. fonte: TNH1

Confusão na final do Campeonato Alagoano de 2016. fonte: TNH1

8 de maio de 2016. Era a partida final do Campeonato Alagoano de Futebol realizada no estádio Rei Pelé, em Maceió, em que disputavam CRB (Clube de Regatas Brasil) e CSA (Centro Sportivo Alagoano). Aos 46 minutos do segundo tempo, depois do gol de Neto Baiano que consagraria a vitória (e o título) ao CRB, dezenas de torcedores invadiram o gramado e protagonizaram cenas que reconfiguraram o que estava acontecendo ali: da festa esportiva que é um jogo de futebol à barbárie de uma violência gratuita contra membros do time vencedor. Algumas das imagens exibem cerca de 15 torcedores desferindo socos e pontapés em um torcedor do time rival: um jovem de 17 anos que seria internado no Hospital Geral do estado com um trauma na face.

A violência entre torcidas de futebol não é uma novidade no Brasil tampouco é uma especificidade de nosso contexto. Vale lembrar, por exemplo, a chamada Tragédia de Heysel (na Bélgica), quando 38 pessoas morreram e 450 ficaram feridas antes de um jogo de futebol entre Liverpool e Juventus, pela final da Taça dos Clubes Campeões Europeus, em 1985. A configuração desse acontecimento trágico e suas disputas simbólicas foram investigadas em interessante análise desenvolvida por Michel de Fornel (1997).

No Brasil, a recorrência de atitudes violentas nos jogos de futebol impulsionou a configuração desse tipo violência como um problema público em nosso país, convocando a ação do Estado para enfrentá-lo. Em 2004, o então presidente Luís Inácio Lula da Silva instituiu uma comissão conhecida como Paz no Esporte, que tinha como missão “preservar o espetáculo, garantindo a Segurança e o direito à Cidadania”. Segundo o jornalista Juca Kfouri, em análise recente, o documento apresentava boas soluções para enfrentar o problema, mas foi engavetado pelo Ministério do Esporte.

Como compreender o que aconteceu em Alagoas, tendo em vista a breve contextualização construída aqui? Duas considerações serão destacadas:
1) A violência nos estádios continua sendo um problema público que deve ser enfrentado pelo Estado e pela sociedade, no intuito de garantir a missão destacada pela comissão Paz no Esporte. Soluções precisam ser implementadas a fim de garantir que encontros esportivos sejam momentos de lazer e entretenimento vividos com segurança por diferentes grupos e times – preservando a diversidade, bem como o respeito a ela.

2) A violência entre torcidas precisa ser compreendida como uma face das muitas violências que temos visto persistir e proliferar no Brasil contemporâneo: o desrespeito e a intolerância a que assistimos nas agressões no estádio alagoano também se manifestam em inúmeros outros contextos – contra as mulheres, os homossexuais, os negros, os pobres, os nordestinos, enfim, contra inúmeros grupos em tantos outros acontecimentos cotidianos que procuramos analisar aqui.

O enfrentamento dessas e outras violências, associado à busca do respeito às alteridades, é fundamental na construção de uma sociedade democrática – tão ameaçada no contexto em que vivemos.

Referência citada:
FORNEL, Michel de. Violence, sport et discours médiatique. L’exemple de la tragédie du Heysel. In: BEAUD, Paul et al. (Orgs.). Sociologie de la communication. Paris: Réseaux / CNET, 1997. p. 453-471.

 

Paula Simões
Professora do Departamento de Comunicação Social da UFMG
Pesquisadora do Gris/UFMG

 

Esta análise faz parte do cronograma oficial de análises para o mês de junho, definido em reunião do GrisLab.



Comentários

  1. buy cialis online disse:

    It is important to note that there can be overlap between medical and psychosocial causes. For instance, if a man is obese, blood flow changes can affect his ability to maintain an erection, which is a physical cause. However, he may also have low self-esteem, which can impact erectile function and is a psychosocial cause. The good news is that there are many treatments for ED, and most men will find a solution that works for them. The United States Food and Drug Administration (FDA) has a consumer safety guide about this, including a recommendation to check that the online pharmacy.

  2. buycialis.online disse:

    There are also some less common ED drugs out there, such as avanafil. However, since these treatments are newer and aren’t as widely used or prescribed as the “big three,” they aren’t on our list. All three erectile dysfunction treatments provide the same key benefit – better blood flow to the penis and fewer difficulties developing an erection. However, they also have some differences, ranging from shorter or longer half lives to slightly different side effect profiles. Below, we’ve compared sildenafil, vardenafil and tadalafil to give you a better understanding of the most popular ED treatments available today.

Comente

Nome
E-Mail
Comentário