Análise | Internacional

Quem são os verdadeiros revolucionários da Nicarágua?

Depois da polícia matar dezenas de manifestantes em um protesto pacífico, Nicarágua se vê tomada por barricadas e bloqueios. Seria esse o fim dos revolucionários sandinistas?

Foto: Reuters.

Desde abril, imagens de um levante popular na América Central chegam à internet. Multidões de azul e branco, cores nacionais da Nicarágua, tomaram várias cidades do país em protesto. Os manifestantes foram recebidos por uma repressão brutal: até o momento 148 pessoas morreram, a maioria baleada por tropas de choque munidas com armamento letal. Entre as vítimas, o jornalista Ángel Gahona, que gravou seus últimos momentos pelo facebook. No entanto, essa carnificina surpreendeu quem conhecia a história do atual presidente do país: Daniel Ortega, um dos revolucionários mais célebres da América Latina.

Para entender esse presente conturbado, é importante relembrar o passado. Ortega esteve no poder em dois momentos distintos: o primeiro foi em 1980, quando era líder da Frente Sandinista de Libertação Nacional, um grupo guerrilheiro nomeado em homenagem ao herói campesino Augusto Sandino. Por meio de uma revolução armada, a frente derrubou a dinastia Somoza, a ditadura mais longa do continente. Nesse estágio, o sandinismo era um movimento popular que não só implementou vários programas sociais, mas conquistou simpatizantes em todo o mundo. A banda The Clash chegou a nomear um de seus álbuns em homenagem aos guerrilheiros.

Os sandinistas governaram até 1990, depois de uma derrota nas urnas com a redemocratização. No entanto, Ortega volta ao governo mais de uma década depois, agora como presidente eleito. Buscando apoio político, ele abandona suas origens revolucionárias e se aproxima das elites e setores conservadores do país. Apesar de preservar uma retórica socialista, implementou vários atos, discursos e políticas que traem os ideais do movimento sandinista. Durante sua campanha de reeleição, por exemplo, apelou para o conservadorismo cristão da população com slogan “Para uma Nicarágua Cristã, Socialista e Solidária”. Reeleito, baniu o aborto do país, inclusive em casos de risco de vida para a mulher. Desde então, seu governo é marcado por uma gestão ortodoxa e favorável a políticas de austeridade.

Este ano ele consolidou sua “traição” com uma canetada: impôs por decreto uma Reforma Previdenciária extremamente impopular. A medida levou milhares de pessoas às ruas que, por sua vez, foram recebidas por tiros. Segundo ativistas nicaraguenses, o próprio Ortega comandou a polícia a abrir fogo contra os manifestantes. Diante do choque causado pelas mortes, rebeliões começaram a ocorrer em todo o país exigindo a renúncia do presidente. Nicarágua agora vive em caos, cercada por barricadas e com estradas bloqueadas.

Engana-se, no entanto, quem aposta que esta crise levaria ao fim do sandinismo. Se Ortega esqueceu de seus primórdios, a juventude que protagoniza o levante de 2018 resgata sua história. “Os netos da revolução”, nas palavras do escritor Sérgio Ramirez, retomam várias símbolos de lutas passadas, como hinos e gritos de guerra, porém, não deixam de atualizá-los. As palavras de Sandino “Pátria Livre o Morir!” são parafraseadas. Agora é “Pátria Livre y Vivir!”

Caio Santos
Jornalista e comunicólogo graduado pela UFMG e apoio técnico do GrisLab



Comentários

  1. cialis online disse:

    Tadalafil starts working anywhere from 16 to 45 minutes after taking it. The side effects of tadalafil are similar to sildenafil, with headache, stuffy nose, heartburn and facial flushing the most common. Tadalafil can also cause muscle aches and back pain, which are usually a result of the drug’s vasodilation effect. For most people, the biggest advantage of tadalafil over sildenafil is its longer half life.

Comente

Nome
E-Mail
Comentário