Análise | Gênero e sexualidade Movimentos sociais e ativismo

A criminalização da prostituição e a especificidade do Brasil

Tomando a lei que criminalizou a prostituição na França como um acontecimento, o pesquisador André Mendes propõe uma série de reflexões em torno do tema. No contexto do século XXI, qual é o significado de uma decisão como essa? E no Brasil, como a prostituição é encarada? Qual é o posicionamento de feministas brasileiras sobre o assunto?  Leia a análise a seguir:

Em dezembro de 2013, foi aprovada uma lei que criminaliza a prostituição na França. Ironicamente isso ocorre num país cuja capital já foi conhecida como o centro mundial dessa atividade. Esse acontecimento repercutiu internacionalmente e, no Brasil, ainda continua ressoando. Em janeiro de 2014, a revista Época publicou uma entrevista com o escritor Pascal Bruckner em que ele condena enfaticamente o puritanismo das feministas envolvidas nesse acontecimento.

Na mesma edição de Época, foram dedicadas seis páginas a um artigo que apresenta o novo panorama do feminismo no Brasil, destacando a existência não mais de um movimento feminista coeso, mas de pelo menos quatro tipos. Desses grupos, apenas uma das correntes se colocou a favor da criminalização da prostituição no Brasil.

A discussão gerada pela aprovação da lei na França é importante (e saudável) para a sociedade brasileira porque ainda há muito preconceito e desinformação sobre a prostituição no nosso país, inclusive porque essa prática, no Brasil, possui especificidades.

Condenadas a priori

De um modo geral, a prostituição tem sido enquadrada no nosso país como um fenômeno semi-criminoso e condenável. Os grupos religiosos consideram a prostituta uma pecadora, enquanto que os agentes morais não-religiosos tendem a pensá-la como vítima do sistema capitalista e/ou da sociedade machista. O que há de comum nesses enquadramentos é uma condenação moral a priori da prostituição como atividade degradante, vinculada à violência contra as mulheres e que, portanto, deve ser combatida. No entanto, estudos mais recentes sobre a prostituição no Brasil não concordam com essa abordagem.

Ascensão social

Silva e Blanchette acreditam que a principal motivação da prostituição não é a falta de opção para a mulher, mas a ambição de uma ascensão social. Essa crença é baseada no fato de que, nessa pesquisa, todas as entrevistadas deixaram outros empregos optando pela venda dos serviços sexuais porque entendiam que a prostituição oferecia melhores condições de trabalho em comparação com qualquer outro tipo de trabalho constitutivo do gueto dos subempregos femininos que lhes era possível escolherem.

Técnicas e saberes de comando

José Miguel Nieto Olivar, que pesquisou a prostituição de rua de baixa renda em Porto Alegre nos anos 1980, defende que a prostituição não é uma “violência assimétrica e estruturante”, pois numa relação entre clientes e prostitutas, as mulheres não se encontram à mercê dos seus pagadores, como normalmente se pensa. As prostitutas possuiriam uma série de técnicas e saberes capazes de neutralizar o poder do homem na prática do programa e lhes permitiriam não se envolver sentimentalmente com ele. Dessa forma, ao mesmo tempo em que se protegem e controlam a relação, as prostitutas proporcionam prazer ao cliente com o objetivo de fidelizá-los.

Presença de afetos

Adriana Piscitelli desenvolveu sua pesquisa em Fortaleza, na década de 2000, e concorda com Silva e Blanchette no que concerne ao desejo de mobilidade social como principal motivação para a prática da prostituição, acrescentando um novo dado: em Fortaleza os intercâmbios sexuais têm uma forte dimensão afetiva. Segundo a pesquisadora, no que se refere ao mercado do sexo, as modalidades de trocas sexuais e econômicas não podem ser reduzidas a meras urgências financeiras, mas envolvem um conjunto de desejos e necessidades, incluindo mobilidade social e consumo, sem descartar a possibilidade de experimentar diversos tipos de afetos.

Válvula de escape dos excluídos

Na entrevista à revista Época, além de criticar a postura das feministas responsáveis pela aprovação da lei que criminaliza a prostituição, Pascal Bruckner defendeu outro ponto importante relacionado à essa atividade: a ideia de ela não deixar de ser vista como um serviço público. Segundo Bruckner, a prostituição funcionaria também como uma “válvula de escape” para os excluídos do sistema, já que o “mercado do amor” seria extremamente desigual e não admitiria velho(a)s, feio(a)s, pobres e doentes. Nesse sentido, esse serviço é a única forma desses marginais conseguirem acesso a tais prazeres.

Conclusão

O que podemos perceber sobre a prostituição no Brasil é que, longe de ser uma prática homogênea, essa atividade varia em cada parte do país. Dessa forma, pensar sobre esse tema e sobre sua criminalização deve ir além dos preconceitos tradicionais e considerar outros aspectos como, por exemplo, que a opção pelo mercado do sexo pode ser baseada em uma escolha racional em função das limitadas oportunidades oferecidas pela sociedade às mulheres. Não há como desconsiderar que 35% da população feminina economicamente ativa ganha apenas um salário mínimo e isso limita terrivelmente a mobilidade econômica dessas mulheres.

 Ao mesmo tempo, é de se destacar a analogia existente entre a atuação das feministas francesas e seus simpatizantes com a ação dos reformadores europeus que, entre os séculos XVI e XIX, “purificaram” a cultura popular tradicional por meio do uso da força e da fé. Com tal cruzada esses seres iluminados pretendiam “aperfeiçoar” as atitudes e valores do povo, acabando com a “licenciosidade” e com o paganismo que “corrompiam” a cultura popular. A semelhança entre o tipo de intolerância e radicalização dos discursos e ações dos reformadores do passado e do presente merece atenção pelo caráter reacionário e pelas consequências que podem advir dessas posturas.

Referências

BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Média. São Paulo: Companhia de Bolso.

OLIVAR, José M. N. Banquete de homens: sexualidade, parentesco e predação na prática da prostituição feminina. RBCS Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 26; n. 75, fevereiro de 2011.

PISCITELLI, Adriana, Amor, apego e interesse: trocas sexuais, econômicas e afetivas em cenários transnacionais in Gênero, sexo, amor e dinheiro: mobilidades transnacionais envolvendo o Brasil. PISCITELLI, Adriana; ASSIS, Gláucia de Oliveira; OLIVAR, José Miguel (org). Campinas/SP: UNICAMP/PAGU, 2011.

SILVA, Ana Paula da; BLANCHETTE, Thaddeus Gregory. Amor um real por minuto: a prostituição como atividade econômica no Brasil urbano.

Revista Época, 27 de janeiro 2013, p. 52-54.

Revista Época. Edição 817, 27 de janeiro 2014. Entrevista, p. 52 e Dilemas Femininos, p. 44.

Foto: Francois Guillot/AFP

André Melo Mendes
Professor do Departamento de Comunicação Social da UFMG
e pesquisador do Gris/UFMG



Comentários

  1. artículo científico disse:

    Así como en la ansiedad, este proceso se puede auto-alimentar. Para el correcto funcionamiento de estos fármacos se precisa de la existencia de un estímulo sexual para actúar directamente sobre el pene, aumentando la cantidad de sangre que recibe para facilitar así la erección.

  2. farmacia espana disse:

    Pero esto, me hizo pensar en que recaería otra vez al perder seguridad y eso me provocó la negación de ese hecho y reforzó mi decisión a la cura de la disfunción erectil. Erecciones psicógenas: Este tipo de erecciones son causadas por la mente.

  3. mas informacion disse:

    La eyaculación prematura secundaria ocurre cuando, después de muchos años de eyaculación normal, la duración del coito se acorta progresivamente. Muchas veces los problemas laborales, períodos de tensión o estrés relacionados con cualquier área de la vida también pueden tener un efecto significativo en el rendimiento sexual.

  4. propecia disse:

    The dermatologist may remove a small piece of the scalp. The condition occurs when white blood cells attack the cells in hair follicles, causing them to shrink and dramatically slow down hair production.

  5. disfuncion erectil causas disse:

    Para prevenir los problemas de erección debe practicar hábitos saludables, como seguir un régimen alimenticio saludable, mantener un peso saludable y hacer ejercicio con regularidad. Si padece de afecciones médicas crónicas, como diabetes o afecciones cardíacas, también debe colaborar con el médico para controlar los síntomas.

Comente

Nome
E-Mail
Comentário