Análise | Celebridades Machismo

A violência contra a mulher, o machismo em pauta e a reação dos públicos

A análise aproxima os casos de assédio e agressão que foram pautados nas últimas semanas no âmbito das celebridades, expondo um maior engajamento dos públicos, suas reações e críticas, mesmo que o machismo ainda dê o tom em nossa sociedade.
Foto: TV Globo/Divulgação

Foto: TV Globo/Divulgação

Nas últimas semanas, alguns casos de violência contra mulher vieram à tona, seguidos das reações de diferentes públicos: o cantor Victor, da dupla Victor e Leo, foi indiciado por agredir fisicamente sua esposa; o ator José Mayer foi denunciado pela figurinista Su Tonani, que expôs publicamente os vários momentos em que foi assediada; e Marcos Harter, que coagiu física e emocionalmente sua namorada no BBB, foi expulso do programa e deve responder processo na Justiça.

Os três casos foram bastante repercutidos e muitas pessoas se manifestaram nas redes sociais, tanto apoiando os agressores quanto defendendo as mulheres agredidas. O que consideramos importante destacar, para além da permanência do machismo em uma sociedade patriarcal como a que vivemos, são as afetações desses três acontecimentos.

No caso de Victor, seu desligamento do The Voice Kids e o cancelamento de shows já agendados mostraram que a pressão popular sobre o cantor se fez sentir, e sua imagem pública foi consideravelmente afetada.

O mesmo pode ser dito de Mayer, que foi cortado do elenco da próxima novela para a qual estava escalado. Como resposta, atrizes, apresentadoras e funcionárias da Globo fizeram uma campanha #mexeucomumamexeucomtodas, posicionando-se contra os vários tipos de violência de gênero e assédio.

No BBB, Marcos foi expulso antes da final e indiciado por agressão pela Polícia Civil do RJ; perícias nas imagens dos pay-per-view 24 horas e no corpo de Emilly confirmaram as agressões,  e o próprio BBB pode ter sido prejudicado junto aos anunciantes – que cada vez mais se preocupam em não ter sua imagem associada a figuras e acontecimentos de violência contra a mulher.

Nas redes sociais, nas discussões nos programas semanais, nos portais de notícia, o que se viu foi uma grande mobilização de públicos variados, inclusive em defesa dos acusados, mas discutindo os casos e compreendendo que o escopo da violência é bem maior que apenas a física. Outros casos semelhantes há alguns anos não foram capazes dessa movimentação, como o dos ex-BBBs Monique Amin e Daniel Echaniz. Apesar de Daniel ter sido expulso, Monique não contou com a solidariedade que Emilly continua recebendo.

Aparentemente, Mayer também já havia sido denunciado outras vezes, sem consequências como as atuais. A autocrítica e o pedido de desculpas do ator – “tristemente, sou sim filho de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas” – não sensibilizaram nem foram suficientes para resgatar sua credibilidade. A naturalização com que o assédio era tolerado e encoberto começa a ser problematizada e, para parte já considerável da sociedade, as diferentes formas de violência contra a mulher passam a ser vistas e vividas como um sério problema público.

Existem diferenças geracionais, certamente, mas o que conseguimos observar pouco a pouco nas manifestações populares é a menor tolerância com justificativas desse tipo e um engajamento com as mudanças para certa parte da população. Nesse sentido, algumas campanhas como Chega de Fiu-fiu, #meuprimeiroassedio e a campanha mais recente #mexeucomumamexeucomtodas tratam de dar visibilidade aos problemas e desnaturalizar comportamentos que são entranhados no cotidiano machista. São pequenos passos em direção a um futuro mais equânime.

Laura Lima
Mestranda do PPGCOM-UFMG
Pesquisadora do Gris

Vera França
Professora do Departamento de Comunicação Social da UFMG
Coordenadora do Grislab



Comente

Você dever estar logado para deixar um comentário. Caso não tenha um login, cadastre-se em nosso site.