Análise | Celebridades e Figuras Públicas

Casamento real: representatividade em cena

Foto de Alexi Lubomirski

Jamais fomos modernos, diz Bruno Latour. É fácil perceber isso após o final de semana do casamento real, que aconteceu em Windsor e despertou discussões em torno de representatividade, questões de gênero e da própria monarquia. O casamento entre o príncipe Harry, caçula da princesa Diana e do príncipe Charles, e a atriz Meghan Markle, mais conhecida por seu papel na série Suits, foi transmitido para grande parte do mundo no dia 19, e falado à exaustão durante o fim de semana. A monarquia britânica, dentre as monarquias ativas, é uma das que possui maior apoio popular. Em pesquisa recente da Ipsos, a rainha é o membro da família real favorito em 11 (incluindo o Brasil) de 28 países pesquisados. Ela empata com o príncipe Harry na percepção geral, mas ele ganha disparado se observarmos apenas a Grã-Bretanha.  

Se hoje tem função quase decorativa, por muito tempo essa monarquia foi a responsável pela expansão do Império em várias regiões da África e da Ásia (África do Sul e Índia são dois exemplos dos vários países colonizados), até hoje sem se retratar ou se responsabilizar pelos abusos cometidos anteriormente. A tendência a priorizar os aspectos positivos do imperialismo britânico não fica restrita à Europa, mas chega ao Brasil. Segundo a mesma pesquisa da Ipsos, a família real impacta positivamente na imagem do Reino Unido para os brasileiros que responderam.

Algumas críticas ao casamento envolveram essa percepção da monarquia como instituição ultrapassada e digna de repúdio, e isso acabou chegando à noiva, Meghan Markle, atriz, californiana, divorciada, biracial e feminista. Seria injusto depositar em uma pessoa toda a esperança de modernização da família real, mas alguns elementos do casamento, muitos que faziam eco às origens da noiva, foram celebrados.

Meghan é divorciada e estrangeira, duas características que há pouco tempo a impediriam de se casar com Harry. Ela se autointitula biracial (sua mãe é negra, e seu pai é branco), já denunciou o racismo em Hollywood algumas vezes e é  ativista, discursando na ONU pela igualdade de gênero e se envolvendo em temáticas como o estigma da menstruação.

No casamento, a presença do reverendo Michael Curry (negro, favorável ao casamento gay e crítico de Donald Trump) foi requerida por Meghan. Curry fez um sermão sobre o poder do amor, sem deixar de mencionar o passado de escravidão e Martin Luther King. O coral gospel regido por Karen Gibson e o violoncelista Sheku Kanneh-Mason, de 19 anos, também foram exemplos de inclusão.

Talvez a maior transformação do casamento tenha sido  a própria noiva. Quando batemos incessantemente na tecla da representatividade, é importante lembrar da interseccionalidade. Se, para mulheres brancas, a figura  de “princesas” parece ultrapassada, para mulheres não-brancas, ele é negado desde a infância. A falta de representatividade midiática é só uma das facetas do racismo estrutural que se projeta com tamanha força na vida de mulheres negras: mais da metade delas, em 2010, não vivia em união, independentemente do estado civil (dados do último Censo), o que o movimento  feminista chama de “solidão da mulher negra”.

O que faz da monarquia um símbolo da tradição é a sua impermeabilidade a mudanças e a lentidão em incorporar discursos e práticas menos arcaicos. A presença de Meghan pode parecer não alterar nada, mas é um símbolo potente num tempo em que mudanças acontecem “a passos de formiga e sem vontade”.

Laura Lima
Mestra em Comunicação Social pela UFMG e pesquisadora do Gris



Comentários

  1. cialis online disse:

    Your doctor can determine if your sexual disorder is caused by an underlying condition that requires treatment. An erection is the result of increased blood flow into your penis. Blood flow is usually stimulated by either sexual thoughts or direct contact with your penis. When a man becomes sexually excited, muscles in their penis relax. This relaxation allows for increased blood flow through the penile arteries. This blood fills two chambers inside the penis called the corpora cavernosa. As the chambers fill with blood, the penis grows rigid. Erection ends when the muscles contract and the accumulated blood can flow out through the penile veins.

  2. buycialis.online disse:

    Most of the time, the side effects from sildenafil stop in three to five hours as the drug stops being effective as an ED treatment. Sildenafil can also potentially lead to more serious side effects, particularly in people with heart conditions or those who take other prescription medication.

Comente

Nome
E-Mail
Comentário