Análise | Gênero e sexualidade

O caso Tatiane Spitzner e a surpresa diante de um velho conhecido: o feminicídio

O feminicídio de Tatiane Spitzner não é um caso atípico, mas sim um velho conhecido da mídia e da sociedade, violência letal que atinge as mulheres por serem mulheres.

Imagem retirada do Facebook.

Tatiana Spitzner. O nome da advogada encontrada morta no apartamento onde morava com o marido, Luís Felipe Manvailer, em Guarapuava, Paraná, é recorrente nas mais diversas mídias noticiosas que estão cobrindo o caso há cerca de um mês. Luís é suspeito de ter jogado a mulher do quarto andar do prédio, cujas câmeras de segurança registraram o desenrolar de uma cena anunciada como “muito forte” pela imprensa. No vídeo, é possível ver o marido agredindo Tatiane com tapas no rosto, puxões de cabelo, empurrões, enforcamentos, chutes… Tatiane tenta fugir para o elevador, mas  antes que as portas fechem, Luís a alcança e a aperta contra a parede metálica . Quando chegam no térreo, mais uma vez ela tenta escapar, mas é puxada de volta por Luís. Ele faz com que ela desça no andar do lar do casal, que deveria ser um ambiente seguro. Quinze minutos depois, o circuito capta o corpo de Tatiane caindo no chão da rua e, logo em seguida, sendo recolhido por Manvailer, que ainda limpa rastros de sangue do corredor e do elevador.

Essa cena soa como uma situação extraordinária, em que um “monstro” parece ter agido contra a vida de uma mulher em caráter de exceção? Se sim, parte da culpa está na própria mídia, que aborda casos de violência contra a mulher como ocorrências isoladas, e não como inseridas em uma rede   complexa de agressões. De forma atípica na cobertura jornalística, o termo “feminicídio” aparece com frequência para dizer da morte de Tatiane — o crime é tipificado desde 2015 no Brasil, quando a presidenta Dilma Rousseff sancionou a Lei Nº 13.104, que inclui esse tipo de assassinato no rol dos crimes hediondos. No mês em que a Lei Maria da Penha completa doze anos, a sequência de agressões que culmina na  morte de Spitzner é apresentada na cobertura jornalística e nas suítes em tom de surpresa. Porém, o feminicídio é, infelizmente, um velho conhecido.

O que surpreende é que os 4 assassinatos diários de mulheres por seus parceiros ou ex-parceiros afetivos e sexuais registrados em 2013, que ajudam a posicionar o Brasil no 5º lugar do ranking mundial de feminicídios, não estejam escancarados como indicativos de uma sociedade misógina. Sociedade que acoberta agressões contra mulheres, até mesmo letais, sob o véu de ditados populares como “em briga de marido e mulher não se mete a colher”. Naquele dia, foram muitos os “nãos” que Tatiane recebeu em resposta ao pedido de socorro que clamava pela própria vida. Curioso que em todo o restante que tange a vida das mulheres, a sociedade mete a colher sem pestanejar: seja para inviabilizar nosso acesso ao aborto legal, seguro e gratuito, seja para dizer quais devem ser nossas roupas, qual constituição física nos afiança a “beleza”, ou mesmo qual comportamento nos garante “valor”. Mas, a colher é seletiva.

Seletiva também é a comoção. Devemos chorar por Tatiane e lutar por justiça. Mas também é preciso chorar e lutar pela preservação da vida das mulheres ainda mais vulneráveis a essas violências — a taxa de assassinatos de mulheres negras aumentou 54% entre 2003 e 2013, enquanto o número de homicídios de mulheres brancas diminuiu 9,8% no mesmo intervalo. O desenrolar dessas mortes pode ser ainda mais cruel, pois acumulam agressões racistas e ainda encontram no recorte de classe a dificuldade de inserir essas mulheres em uma rede que as acolha e as ampare.

Nem todo assassinato de mulher é um feminicídio, mas a condição de ser mulher é determinante em grande parcela dessas mortes, como a de Tatiane e de outras mulheres que, diariamente, têm suas vidas ceifadas. Por serem mulheres. Por serem compreendidas como propriedades e como vidas menores. Manvailer não é um “monstro”, nem um “louco”: desumanizá-lo minimiza a responsabilidade dos homens por seus atos violentos repetidos cotidianamente contra mulheres: da agressão verbal e psicológica ao assédio, do estupro marital ao cerceamento da liberdade. Ainda vivemos em uma realidade em que nos dizem que a mulher deve “merecer” viver mas, no final das contas, é como se nenhuma merecesse, e algumas merecessem menos ainda.

Bárbara Caldeira

Jornalista, mestra e doutoranda no PPGCOM-UFMG. Desenvolve reflexões sobre relações de gênero, violência contra a mulher e feminicídio.



Comentários

  1. cialis online disse:

    In rare cases, a man may always have had ED and may never have achieved an erection. This is called primary ED, and the cause is almost always psychological if there is no obvious anatomical deformity or physiological issue. Less commonly, psychological factors cause or contribute to ED, with factors ranging from treatable mental health illnesses to everyday emotional states that most people experience at some time.

  2. buy tadalafil online disse:

    You’ll likely work with your therapist over several sessions, and your therapist will address things like major stress or anxiety factors, feelings around sex, or subconscious conflicts that could be affecting your sexual well-being. In some cases, medications used to treat other conditions may cause ED.

Comente

Nome
E-Mail
Comentário