Análise | Celebridades e Figuras Públicas Gênero e sexualidade

O “homão da porra” (e os “mulherões da porra”)

O “acontecimento Rodrigo Hilbert” mostra como compartilhar as tarefas de casa, cuidar dos filhos, ser um bom marido, entre outras atitudes ainda são consideradas um diferencial quando deveriam ser o mínimo feito pelos homens. Enquanto as mulheres lutaram e continuam lutando por um mundo mais igualitário o que nós, homens, estamos fazendo para isso?

Fotos: Instagram @rodrigohilbert/Divulgação GNT

Rodrigo Hilbert. Nos comerciais, no canal GNT, nos temas das comédias e das conversas cotidianas: lá está ele, reverberando uma imagem exemplar de profissional, marido e pai. Deslizes (como imitar de forma caricata apenas sotaques nordestinos tendo viajado por todo o Brasil; ou fazer um polêmico sacrifício animal ao vivo) apenas arranham a reputação do “homão da porra”, termo que tem sido usado para designar Hilbert.

Bonito, bom na cozinha (tem seu programa culinário, o Tempero de Família) e bem sucedido, ele causa inveja a ponto de motivar indignação masculina – com uma boa dose de humor. Após divulgar uma foto em seu Facebook mostrando a casa ao pé da árvore construída por ele para seus filhos, recebeu um pedido inusitado: pare. Raphael PH Santos, ganhou visibilidade nas redes sociais e na mídia ao publicar uma carta aberta ao artista pedindo para que ele interrompa a concorrência desleal: “Você está me atrapalhando”.

Ora, ora, ainda que blindados pelos significados ambíguos do riso, nós homens finalmente parecemos diminuídos pela existência de um olimpiano inalcançável. Usamos “finalmente” porque as mulheres lidam com isso há mais tempo: quantas atrizes, cantoras e modelos conciliam família, beleza e uma carreira profissional de fazer inveja?

Mas a principal revelação do “acontecimento Hilbert” não é a perfeição inalcançável aos mortais, e sim o quanto nós homens ainda custamos a assumir o lugar que nos cabe em um mundo diferente daquele de nossos pais e avôs. E é bom lembrar: vivemos em um mundo que não mudou naturalmente; mudou com a luta de muitas de nossas mães e avós por um lugar mais igualitário na sociedade em relação aos homens, com direitos e deveres semelhantes para as mulheres. E continua mudando porque muitas de nossas amigas, irmãs e companheiras continuam a luta.

Nas palavras do próprio Rodrigo Hilbert, “receber elogios pelo fato de você cuidar do seu filho, cuidar da sua casa, dividir as tarefas com sua esposa; eu não aceito esse rótulo de ‘homão da porra’ pelo simples fato de fazer isso. Isso é obrigação de todos os homens, eu acho que é o mínimo que um homem pode fazer”. E ele diz mais. Citando a própria mãe e as tias, que trabalhavam em casa e fora, crava: “temos muito mais ‘mulherões da porra’ do que ‘homens da porra’”.

Hilbert se considera um homem moderno. Interessante: se não é possível ser “homão da porra”, para nós também está em tempo de nos adequarmos ao nosso tempo (com o perdão da redundância). Amigos, melhoremos…

Gáudio Bassoli
Mestre pelo PPGCOM-UFMG
Pesquisador do Gris

Paulo Basílio
Graduando em Publicidade pela PUC Minas
Pesquisador do Gris



Comentários

  1. cialis online disse:

    Research shows that ED is mostly due to problems with the blood vessels. In fact, plaque buildup in the arteries causes ED in about 40 percent of men over 50 years old. Your doctor can help identify the underlying cause and prescribe the appropriate treatment. Treating an underlying condition is the first step to treating your ED.

  2. buy tadalafil online disse:

    Men may not always successfully achieve an erection, and if this rarely happens, it is not considered a medical problem. The numerous potential causes of ED mean that a doctor will typically ask a lot of questions and arrange for blood tests to be performed. Such tests can check for heart problems, diabetes, and low testosterone, among other things. The doctor will also carry out a physical examination, including of the genitals. Before considering a diagnosis that requires treatment, a doctor will look for symptoms that have persisted for at least 3 months.

  3. cialis online disse:

    There are also some less common ED drugs out there, such as avanafil. However, since these treatments are newer and aren’t as widely used or prescribed as the “big three,” they aren’t on our list. All three erectile dysfunction treatments provide the same key benefit – better blood flow to the penis and fewer difficulties developing an erection. However, they also have some differences, ranging from shorter or longer half lives to slightly different side effect profiles. Below, we’ve compared sildenafil, vardenafil and tadalafil to give you a better understanding of the most popular ED treatments available today.

  4. buy tadalafil online disse:

    These methods provide limited information but can help guide a doctor’s choice of further tests. About 20 million American men are affected by erectile dysfunction, or ED. Interestingly, while ED is often thought of as a condition that affects middle aged and older men, around a quarter of all men under 40 experience ED on a regular basis. Luckily, a range of treatments are available to treat the effects of ED and help you develop and maintain an erection without any problems. The three most popular erectile dysfunction treatments on the market are sildenafil (Viagra), vardenafil (Levitra) and tadalafil (Cialis).

Comente

Nome
E-Mail
Comentário