Análise | Celebridades e Figuras Públicas

O Oscar de Leonardo DiCaprio: contestação e deboche

Leonardo DiCaprio, enfim, venceu o Oscar por sua atuação em O Regresso, dirigido por Alejandro Iñárritu. No filme, inspirado em fatos reais, o ator representa uma espécie de cowboy norte-americano, desbravando territórios, pronto para infligir ou causar sofrimento, solitário em busca de vingança. A cerimônia de premiação mostrou que o mito americano tem outra face: criticando o capitalismo, o ator discursou contra políticos e grandes corporações poluentes. Com o dedo médio, ele debochou da Academia sob os holofotes do evento mais importante do cinema.

 

A audiência do Oscar 2016 nos Estados Unidos foi a mais baixa dos últimos oito anos. Alguns dias antes do evento, a falta de indicações de atores negros em categorias mais prestigiadas trouxe um debate importante sobre o racismo. A hashtag #oscarsowhite foi compartilhada no mundo inteiro. Lideranças de movimentos sociais pediram para o público não assistir ao Oscar. Em resposta, o discurso de abertura do ator Chris Rock, um monólogo engajado e irônico, apresentou a mea culpa da academia.

Na noite da premiação, contudo, a discussão sobre a falta de diversidade no cinema foi deixada de lado. A grande atração do evento era saber se Leonardo DiCaprio ganharia a estatueta dourada, prêmio que concorria pela quinta vez. Os memes, que divertiram o público na internet, ironizavam as derrotas do ator.

Sempre há... O próximo ano... E a próximo ano, e os anos depois disto...

Sempre há… O próximo ano… E a próximo ano, e os anos depois disto…

O humor das piadas expunha o descompasso entre a fama de Leonardo DiCaprio e a falta de reconhecimento por seus pares. Outros atores e atrizes menos célebres foram indicados mais vezes sem vencer: Glenn Close e Deborah Kerr foram nomeadas seis vezes. O ator Richard Burton, sete. DiCaprio mereceu os memes por sua celebridade: ao não ser laureado com o Oscar, parecia ridículo ter alcançado tanta fama. Seria ele um charlatão? O público teria sido enganado? Por outro lado, não seria a academia injusta?

Nas sociedades modernas e neoliberais, o mérito e o esforço pessoal são supervalorizados; a mídia, especialmente nas trajetórias das celebridades, cria narrativas inspiradas no sucesso individual, em histórias singulares e excepcionais. O tapete vermelho internacional do Oscar, por sua tradição de criar estrelas, é a epítome dessas narrativas.

Neste ano, Leonardo DiCaprio não deixou sua chance escapar. Diante da plateia que o aplaudia de pé, não pediu para ninguém se assentar, como havia feito o vice-presidente da América momentos antes. No discurso, sereno e bem preparado, DiCaprio lembrou que 2015 foi o ano mais quente já registrado. A equipe de filmagem de O Regresso teria viajado ao ponto mais meridional do mundo para encontrar neve.

O discurso sobre o meio ambiente soa revolucionário hoje, uma vez que questiona os modos de produção e de consumo no capitalismo. Reduzir as mudanças climáticas exige a transformação do capitalismo, em que empresas, políticos e indivíduos precisam lidar com a finitude dos recursos naturais e com as desigualdades sociais entre os países.

Gafe ou recado?

Gafe ou recado?

No dia seguinte à vitória, a divulgação das imagens revelou que Leonardo DiCaprio segurava o envelope do resultado com o dedo médio destacado, em sinal de deboche à Academia. Além disto, fotografias dos paparazzi revelavam que o ator havia esquecido a estatueta no restaurante onde comemorou a vitória… O discurso do ator e suas pequenas insubordinações desalinharam a expectativa do quadro de premiação – que seria de agradecimento, emoção e alegria. Os mitos americanos, tão bem representados por Leonardo DiCaprio, foram questionados no Oscar 2016.

 

Lígia Lana
Doutora em Comunicação Social (UFMG), com estágio sanduíche na EHESS (Paris)
Pesquisadora Capes-Faperj no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-Rio

 

Esta análise foi escrita a partir de sugestão da autora.



Comentários

  1. buycialis.online disse:

    Research shows that ED is mostly due to problems with the blood vessels. In fact, plaque buildup in the arteries causes ED in about 40 percent of men over 50 years old. Your doctor can help identify the underlying cause and prescribe the appropriate treatment. Treating an underlying condition is the first step to treating your ED.

  2. cialis online disse:

    All in all, sildenafil is popular for a reason – it works. For most men, sildenafil makes it easier to develop and maintain an erection and acts as a reliable, safe treatment for erectile dysfunction. Developed in the 1990s and approved by the FDA in 2003, tadalafil is a longer-lasting ED drug that provides similar effects to sildenafil.

  3. Rodolfo disse:

    Mas é cada uma que inventam! Não podem mais fazer memes, e ficam vendo coisa onde não existe.

Comente

Nome
E-Mail
Comentário