Análise | Movimentos sociais e ativismo

Ocupar: verbo transitivo que deu uma lição ao sistema educacional brasileiro

O verbo ocupar ultrapassou o sinônimo de invadir, ao passo que estudantes (pre)encheram e questionaram espaços que são comuns mas frequentemente elitizados (no caso das universidades públicas) ou esquecidos (no caso das escolas públicas periféricas), habitaram, consagraram, se dedicaram a uma causa e a um espaço que é público, mas está em vias de ser privatizado.

escolas-alkimin

Entre o fim de outubro e o começo de novembro de 2016 eclodiram centenas de ocupações de instituições educacionais por todo o Brasil, capitaneadas por estudantes secundaristas e acompanhadas por ocupações de universidades e greves de técnicos e professores. Esse movimento rompeu com lógicas de protestos e ações feitas até então, reverberando socialmente e convocando a população a lutar contra os retrocessos que o governo de Temer está promovendo, sobretudo por meio da PEC 55 e das reformas da Previdência e do Ensino Médio.

O papel midiático foi essencial para a configuração das ocupações, desde o surgimento e a consolidação de meios alternativos (sobretudo sites, redes sociais e meios de comunicação das universidades que tiveram sua programação adaptada, como a Rádio UFMG) que tentaram mostrar o cotidiano de estudantes-ocupantes, ressaltando a importância do movimento, até a posição dos meios hegemônicos, que ora invisibilizava algo que mudou o cotidiano de muitas comunidades nas cidades brasileiras, ora criminalizava essas ocupações. Estudantes tiveram que enfrentar a falta de estrutura do caráter emergencial que caracterizou as ocupações, a falta de apoio das administrações universitárias, as invasões de infiltrados, a hostilidade de grupos de direita, a repressão policial e a indiferença ou violência simbólica da grande mídia.

Desde o processo de ocupação nas escolas paulistas contra a reorganização escolar proposta pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) em 2015, a linha de frente do movimento foi intensamente composta por mulheres e LGBTs. O protagonismo feminino tomou corpo e reconhecimento encarnado em Marcela Nogueira Reis, que segurou firmemente uma carteira contra a repressão policial – foto  que viralizou nacionalmente. Todo processo foi documentado no filme “Lute como uma Menina!”, realizado em 2016, por Beatriz Alonso e Flávio Colombini.  Em 2016, foi a voz de Ana Júlia Ribeiro, estudante de 16 anos que discursou corajosamente aos deputados da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) pelas e pelos estudantes. Em Belo Horizonte-MG, a mesma linha de frente feminina, LGBT e negra foi vista em escolas ocupadas, como nas instituições Santos Dumont e Três Poderes.

Um modelo endógeno de organização trouxe outra cara para as instituições educacionais ocupadas: estudantes se uniram e se revezaram para limpar, cozinhar, debater, se articular e gerir escolas e universidades; emergiram espaços de intensa discussão política, sempre abertos à comunidade, com atividades de interesse público; houve a formulação de demandas e denúncias sobre a situação do contexto universitário e escolar que são desconhecidas ou negligenciadas; e destacou-se um ambiente aberto ao diálogo extremamente solidário, a partir da partilha de experiências e de mantimentos para instituições que recebiam menos doações.

Ainda que muitas mídias tenham se esforçado em enfatizar o verbo ocupar como sinônimo de invadir, foi possível ver que os grupos de estudantes se aprofundaram em sua definição ampla: (pre)encheram e questionaram espaços que são comuns, mas frequentemente elitizados (no caso das universidades públicas) ou esquecidos (no caso das escolas públicas periféricas), habitaram, consagraram, se dedicaram a uma causa e a um espaço que é público, mas está em vias de ser privatizado. No caso da UFMG, o mesmo conselho universitário[1] que ignorou as ocupações e impôs verticalmente um fim para o processo de habitação e apropriação da universidade pelos estudantes, parece jamais ter tentado interferir em irregularidades visibilizadas pelo movimento. Dentre elas, podemos mencionar o “milharal” (espaço completamente fechado que abriga documentos antigos e que não estão à disposição da comunidade) e o “buraco do paulinho” (espaço que deveria ser um estúdio de TV do curso de comunicação, mas que nunca funcionou e virou um depósito com centenas de equipamentos de informática, cadeiras, retroprojetores e tantos outros que fazem falta cotidianamente a professores e alunos, que estariam teoricamente em funcionamento, mas jamais foram utilizados), o que foi alvo de demandas de ocupantes da Fafich.

O acontecimento revelou o despertar da universidade e da escola como patrimônio público, comum, que diz respeito a todas e todos. Ele também provocou questionamentos: como as instâncias administrativas podem pedir reintegração de posse quando o espaço está sendo utilizado por quem tem direito a ele? Como fechar os olhos diante de administrações políticas e educacionais que fingem não saber de problemas graves nessas instituições? Como ignorar um processo de autogestão e todas as discussões que não vemos diariamente nas instituições que deveriam nos ensinar a questionar e mudar realidades? Certamente, teremos definições ainda mais complexas para o verbo “ocupar” depois de 2016.

[1] De acordo com a própria UFMG, o conselho é responsável por questões patrimoniais e administrativas, como as apontadas nesta análise, já que é o “órgão máximo de deliberação da Universidade Federal de Minas Gerais, responsável por formular a política geral da UFMG nos planos acadêmico, administrativo, financeiro, patrimonial e disciplinar”.

Tamires Coêlho – Doutoranda do PPGCOM/UFMG
C.F. – Estudante de Graduação e Ocupante na UFMG



Comentários

  1. cialis online disse:

    Sildenafil works by increasing blood flow to the spongy tissue of the penis, making it easier to achieve an erection. It usually works within 30 to 60 minutes of consumption and lasts for three to five hours, depending on the person. The potential side effects of sildenafil are the same as most other ED drugs – headaches, nasal obstruction, flushed skin and heartburn.

  2. buycialis.online disse:

    Sildenafil, better known by the brand name Viagra, is one of the most common and widely used erectile dysfunction treatments available today. Originally developed as a treatment for high blood pressure, sildenafil was approved as an ED drug in the late 1990s. From its introduction until 2007, Viagra was by far the most widely used erectile dysfunction drug on the market, accounting for 92% of global sales in 2000. While sildenafil isn’t quite as dominant as it once was, it’s still by far the most popular treatment for ED.

Comente

Nome
E-Mail
Comentário