Análise | Celebridades e Figuras Públicas

Parir é coisa da realeza?

No dia 23 de abril, Kate Middleton deu a luz ao seu terceiro filho, o príncipe Louis. A duquesa de Cambridge foi assistida por enfermeiras, passou por um parto normal e teve alta do hospital apenas seis horas após o nascimento do bebê, quando posou para fotógrafos maquiada e usando sapatos de salto. A via de parto e a aparente rápida recuperação da duquesa levantam uma questão: seria privilégio da realeza ou “plebeias” também poderiam ter acesso a um parto vaginal com assistência de qualidade?

Príncipe William, Kate Middleton e o terceiro filho do casal, Louis. Fonte: Reprodução/Twitter.

O nascimento de um herdeiro da coroa é sempre um acontecimento de grande repercussão midiática. No Brasil, entretanto, para além das implicações de um novo nome na linha de sucessão britânica, a discussão passa pelo parto dos bebês. Kate Middleton tem três filhos, e os três nasceram por meio de parto vaginal, com o menor número de intervenções possíveis. Durante o nascimento dos príncipes George e Louis e da princesa Charlotte, a duquesa foi assistida por enfermeiras e obstetrizes, passou poucas horas na maternidade após o parto e saiu caminhando sozinha com sapatos de salto. Acompanhando as notícias e comentários sobre o caso, uma ideia se sobressai: a de que, por ser membro da realeza, Kate teria acesso a uma estrutura especial de acompanhamento e que isso seria primordial para a escolha da via de nascimento e também para a rápida alta do hospital.

É fato que o acesso aos melhores serviços disponíveis traz confiança para a efetivação da escolha pela via de nascimento, contudo, a opção de Kate pelo parto normal é muito mais do que isso. No Reino Unido, cerca de 40% dos bebês nascem por meio de parto natural, isto é, sem nenhuma intervenção, como cortes e anestesias. Cesáreas são entendidas como uma cirurgia e acontecem principalmente em casos de emergência ou em decorrência de alguma condição médica da gestante. Além disso, no pós-parto, enfermeiras visitam a mãe e o recém-nascido em sua residência nos primeiros 21 dias para realizar os exames básicos e dar orientações sobre os cuidados necessários.

No Brasil, estes números são muito diferentes. De acordo com uma pesquisa realizada pela Fiocruz, ainda que no início da gestação 70% das grávidas demonstrem preferência pelo parto normal, cerca de 53% dos nascimentos no país são via cesariana, contrariando a indicação da Organização Mundial de Saúde de que sejam realizadas apenas 15% de cesáreas. Nos hospitais particulares, o índice chega a 88%. Embora pesquisas evidenciem que partos cirúrgicos tenham três vezes mais riscos de morte de mães e bebês, a falta de informação médica adequada, bem como um incentivo pré-natal pela realização de cesarianas, fazem com que no Brasil cesáreas sejam entendidas como o método mais seguro, tornando o país recordista mundial na realização desta cirurgia. Além disso, o grande índice de violência obstétrica, a medicalização excessiva – como uso de jejum, posição de litotomia e ocitocina para acelerar as contrações – e o medo da dor fazem com  que a cesariana seja entendida como uma alternativa mais prática e confortável.

O parto vaginal remete, então, a algo muito mais complicado e doloroso do que realmente pode ser. Fica claro o porquê do estranhamento quando alguém de uma classe social abastada escolhe vivenciar o parto natural e sai aparentemente tão bem da maternidade – ainda que saibamos que a duquesa tem um esquadrão de fotógrafos a esperando na porta e deve ter dado uma atenção especial à sua aparência.

O acontecimento do parto de Kate Middleton nos mostra que há muita desinformação em relação às vias de nascimento no Brasil. O parto vaginal, em condições de normalidade de mãe e bebê, é mais simples e tem a recuperação mais fácil. Não se deve, no entanto, ignorar a importância da cesárea e que ela salva vidas, tampouco questionar a opção de uma mãe pela realização de uma. Todavia, é necessário ter informações e cuidado para tomar a decisão mais apropriada para si e barrar os abusos. Um parto digno e respeitoso não deveria ser entendido como um privilégio da realeza, mas como um direito de todas as mulheres.

Julia Ester de Paula
Mestranda em Comunicação Social pela UFMG e pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Mídia e Esfera Pública/ Eme



Comentários

  1. buy cialis online disse:

    All in all, sildenafil is popular for a reason – it works. For most men, sildenafil makes it easier to develop and maintain an erection and acts as a reliable, safe treatment for erectile dysfunction. Developed in the 1990s and approved by the FDA in 2003, tadalafil is a longer-lasting ED drug that provides similar effects to sildenafil.

  2. buy tadalafil online disse:

    The researchers found a stronger correlation between smoking and illicit drug use and ED in men under 40 than among older men. That suggests that lifestyle choices may be a main contributing factor for ED in younger men. An analysis of research on ED in men under 40 found that smoking was a factor for ED among 41 percent of men under the age of 40. Diabetes was the next most common risk factor and was linked to ED in 27 percent of men under 40. Your doctor will ask you questions about your symptoms and health history.

Comente

Nome
E-Mail
Comentário